É sempre um prazer receber a sua visita aqui, onde falo sobre o que faço e do que aprendo sobre Educação, Cidadania, Política da Vida enfim.
Acreditando sempre na Participação das pessoas como forma de melhorar o mundo em que vivemos

Sandra Negrini

domingo, 21 de novembro de 2010

Um retrato da sala de aula - Triste cenário



Um retrato da sala de aula

Via Educar para Crescer
Texto
Monica Weinberg


Poucos especialistas observaram tão de perto o dia a dia em escolas brasileiras quanto o americano Martin Carnoy, 71 anos, doutor em economia pela Universidade de Chicago e professor na Universidade Stanford, nos Estados Unidos, onde atualmente também comanda um centro voltado para pesquisas sobre educação. Em 2008, Carnoy veio ao Brasil, país que ele já perdeu as contas de quantas vezes visitou, para coordenar um estudo cujo propósito era entender, sob o ponto de vista do que se passa nas salas de aula, algumas das razões para o mau ensino brasileiro. Ele assistiu a aulas em dez escolas públicas no país, sistematicamente - e chegou até a filmá-las -, além de falar com professores, diretores e governantes.
 Em entrevista, Martin Carnoy traçou um apurado cenário da educação no Brasil:



Menos teoria e mais prática






Falta ao Brasil entender o básico. Os professores devem ser bem treinados para ensinar - e não para difundir teorias pedagógicas genéricas. As faculdades precisam estar atentas a isso. Um bom professor de matemática ou de línguas é aquele que domina o conteúdo de sua matéria e consegue passá-lo adiante de maneira atraente aos alunos. Simples assim. O que vejo no cenário brasileiro, no entanto, é a difusão de um valor  diferente: o de que todo professor deve ser um bom teórico. O pior é que eles se tornam defensores de teorias sem saber sequer se funcionam na vida real. Também simplificam demais linhas de pensamento de natureza complexa. Nas escolas, elas costumam se transformar apenas numa caricatura do que realmente são.





 caça de mestres brilhantes





A chave para um bom ensino é conseguir atrair para a carreira de professor os melhores estudantes. Basta copiar o que já deu certo em países como Taiwan, que reuniu em seu quadro de docentes algumas das melhores cabeças do país. Ali, um professor ganha tanto quanto um engenheiro - o que, por si só, já atrai os alunos mais talentosos para a docência. Mas não é só isso. Está provado que, para despertar o interesse dos mais brilhantes pela sala de aula, é preciso, sobretudo, dar-lhes uma perspectiva de carreira e de reconhecimento pelo talento que os distingue. No Brasil, o pior problema não está propriamente na remuneração dos professores, até razoável diante das médias salariais do país - mas justamente na ausência de um bom horizonte profissional.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é Fundamental!

Criação