É sempre um prazer receber a sua visita aqui, onde falo sobre o que faço e do que aprendo sobre Educação, Cidadania, Política da Vida enfim.
Acreditando sempre na Participação das pessoas como forma de melhorar o mundo em que vivemos

Sandra Negrini

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Transformação de gêneros narrativos

Plano de Aula

Transformação de gêneros narrativos


Bloco de Conteúdo


Língua escrita


Conteúdo





Objetivos 


- Ler, ouvir e interpretar poemas narrativos. 
- Perceber o modo de organização de poemas narrativos. 
- Ampliar as possibilidades de produção de textos coerentes. 




Conteúdos 

- Elementos de organização interna de poemas narrativos. 
- Sequência temporal de poemas narrativos. 
- Coesão e coerência textual. 
- Adaptação de gêneros da esfera literária (poema para teatro). 




Anos 

7º e 8º. 




Tempo estimado 

Cinco aulas. 




Material necessário 

Livros de antologia da literatura brasileira com os textos selecionados para a atividade: O Asno, de Ferreira Gullar, A Serra do Rola-Moça, de Mário de Andrade (1893-1945),Máquina Breve, de Cecília Meireles (1901-1964), e Balada do Amor Através das Idades, de Carlos Drummond de Andrade (1902-1987). Os textos podem ser encontrados em sites de poesia, como o Jornal de Poesia




Desenvolvimento 

1ª etapa 

Inicie com a sondagem do conhecimento prévio dos alunos sobre o gênero narrativo e, em especial, sobre o poema narrativo. Pergunte sobre as características desse tipo de poema. Verifique se eles apontam que é uma história contada em forma de poesia, que existem versos que podem ou não rimar e que personagens são responsáveis pelas ações contadas em uma sequência temporal. Continue com a leitura do poema Máquina Breve, de Cecília Meireles. Depois, leia o poema O Asno, uma fábula de La Fontaine adaptada em versos por Ferreira Gullar. Peça que os alunos comparem os dois para dizer qual deles é um poema narrativo. Os versos de Cecília Meireles constituem um poema não narrativo, pois reproduzem um acontecimento ou um fato isolado, ou seja, não contam propriamente uma história. Quanto à sequência temporal, destaque o momento estático apresentado, em que apenas é permitido ao leitor imaginar o passado e o futuro. No caso da produção de Ferreira Gullar, observe que há uma história sendo contada dentro da estrutura "começo, meio e fim" - que é uma característica própria de poemas essencialmente narrativos. Peça que a moçada identifique momentos encadeados entre si, os quais promovem a coesão e a coerência e obedecem a uma sequência temporal. Solicite a reescrita, em prosa, da obra de Ferreira Gullar, mantendo as características do texto narrativo (história ocorrida no passado - às vezes, bem recente - e contada em por meio das ações de personagens, dentro de um sequenciamento temporal). Depois, peça que alguns estudantes leiam seus textos para a turma. Questione as dificuldades enfrentadas e comente os trabalhos. 




2ª etapa 

Apresente o poema A Serra do Rola-Moça, de Mário de Andrade, juntamente com uma breve biografia do autor, situando-o na estética do Modernismo brasileiro. Proceda uma segunda leitura em voz alta, dessa vez pedindo que os alunos prestem atenção no desenrolar dos acontecimentos, no suspense criado desde o início. A essa altura, a garotada já pode concluir que se trata de um poema narrativo. Solicite que recontem A Serra do Rola-Moça uns para os outros, ou para a classe, para que percebam diferentes modos eficazes de contar uma mesma história. 




3ª etapa 

Apresente o poema Balada do Amor Através das Idades, de Carlos Drummond de Andrade. Chame a atenção para o fato de que ele conta cinco histórias: quatro de amores frustrados e uma com final feliz. Esse comentário pode provocar curiosidade ainda maior sobre o objeto de estudo. Sugira novas leituras do poema: silenciosa e individual ou dramatizada, para toda a classe. Esclareça as eventuais dificuldades de vocabulário e as menções a fatos históricos (guerra de Troia, Roma no tempo dos cristãos, a Revolução Francesa, os tempos modernos). Apresente a proposta de adaptação do poema para o teatro, com a criação de diálogos, figurinos e cenários, sugerindo a seleção de apenas um episódio ou uma cena para ser representada. Convém falar um pouco sobre os personagens: o "eu" (que narra) e o "você" (a quem ele se dirige). Essa característica, que deixa clara a percepção de um público, ajudará na criação e no fazer teatral. 




4ª etapa 

Para a encenação, divida as turmas em cinco grupos, de modo que cada um encene uma das histórias do poema. As tarefas devem ser divididas: alguns criam os diálogos, enquanto outros pensam e preparam os figurinos e o cenário. 




5ª etapa 

Apresentação para a classe da dramatização. Em seguida, reserve um momento para a autoavaliação. 




Avaliação 

Faça uma avaliação oral. Numa conversa com a turma, procure abordar desde o entendimento da estrutura do poema narrativo até as características e a criatividade da dramatização. Peça que cada aluno diga o que aprendeu. Assim, todos compartilharão o aprendizado. Ao longo de todo o processo, observe os resultados, anotando as conclusões e refletindo sobre a experiência para subsidiar a elaboração da sua próxima sequência didática.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é Fundamental!

Criação